Nenhum produto no carrinho.

Nenhum produto no carrinho.

Loading..

Product was successfully added to your shopping cart.

5

Product was successfully added to your comparison list.

CD APENAS UM POLICIAL (DIGITAL)

Preço: R$10,00

Preço Promocional R$5,00

Disponível: Em estoque

SKU: cd-digital
Apenas um policial é o título do 4º CD do Sargento Lago -- cantor, compositor, escritor, jornalista diplomado e policial militar (na reserva desde 2009, após ter cumprido os 30 anos regulamentares de carreira).

Suas 13 faixas passeiam pelo samba, reggae, rock, gospel e outros ritmos, enfocando temas ligados à segurança pública e aos profissionais que nela atuam.

Saiba mais na descriçao abaixo...

Preço: R$10,00

Preço Promocional R$5,00

Detalhes

Apenas um policial é o título do 4º CD do Sargento Lago -- cantor, compositor, escritor, jornalista diplomado e policial militar (na reserva desde 2009, após ter cumprido os 30 anos regulamentares de carreira). Suas 13 faixas passeiam pelo samba, reggae, rock, gospel e outros ritmos, enfocando temas ligados à segurança pública e aos profissionais que nela atuam. Destaque para a participação de Almir Guineto na música "Se segura segurança", por ele composta em parceria com Lago e Adalto Magalha. Em "Rota tá tá", Lago presta tributo à unidade na qual atuou, evocando a mística agressiva ("Rota tá tá o chão vai tremer/ Rota na rua é matar ou morrer") de quem, no seu dizer, é "cidadão que se arrisca em prol da população". Mas, não está ausente um certo questionamento desse universo em que a violência é respondida com a violência. Em "Um dia vai ser tudo diferente", p. ex., ele mostra outra faceta de um PM: o cidadão sofrido ("...tudo que eu faço é tão difícil/ Sempre tem um sacrifício/ Faz a lágrima rolar"), sonhando com o repouso do guerreiro ("Um dia os espinhos serão flores", "Um dia o meu canto será santo", etc.). Essa contradição foi notada pelo crítico Gilberto Amêndola, do Jornal da Tarde (SP), ao comentar o CD anterior de Lago, Profissão Coragem (2008), que teve participações especiais ilustres como as de Dominguinhos, Jair Rodrigues e Benito di Paula: "É como se Lago subvertesse a música de protesto dos anos 60/70 e do rap dos dias atuais. Em vez de crítica, elogios ao aparato policial. Isso é um problema? Talvez não. Mas, convenhamos, é um preconceito difícil de se vencer. "O teste de fogo é a versão de 'Pra não dizer que não falei das flores'. Nem adianta dizer do estranhamento de ouvir um policial cantando um dos hinos da esquerda contra a ditadura militar. O próprio Vandré, arredio a homenagens, gostou da versão". Tanto gostou, aliás, que foi assistir a um show de Lago no bairro paulistano do Bixiga, na qual a popular "Caminhando" teve papel de destaque. Já uma das faixas do novo CD é o "Tributo a Alberto Mendes Junior", homenagem ao oficial PM morto pelos guerrilheiros cercados no Vale do Ribeira, em 1970. Lago, inclusive, tem feito entrevistas com antigos participantes da luta armada contra a ditadura, pois quis conhecer de viva voz a versão do outro lado, como se tentasse lançar uma ponte entre os inimigos de outrora. É exatamente o que ele diz na canção "Um dia vai ser tudo diferente": "O hoje, amanhã vai ser passado/ Vira fato consumado/ só nos resta esperar". Quatro décadas depois, é salutar que o representante de uma corporação que também travou essa guerra venha dizer que ela está encerrada, virou fato consumado, página triste da nossa História.
  1. Seja o primeiro a avaliar este produto

Queremos saber sua opinião